Avião da Esquadrilha da Fumaça cai em Pirassununga

Um Super Tucano A-29 da Esquadrilha da Fumaça caiu,na tarde desta quarta-feira (27), em uma área da Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, após apresentar problemas técnicos. Os dois tripulantes, o piloto e um mecânico, conseguiram ejetar antes da queda e foram resgatados pelo helicóptero da equipe de resgate da AFA.

De acordo com informações da Força Aérea, ambos estão bem e passam por exames no hospital da AFA. Moradores da região registraram a fumaça e o momento do resgate.

O Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (Cecomsaer) informou que uma equipe da Força Aérea Brasileira (FAB) está se deslocando até o local para apurar o que causou o acidente.

Super Tucano A-29

O A-29 é usado para a formação de pilotos de caça e, também, no patrulhamento das fronteiras do Brasil.

Em março de 2013, os pilotos da FAB iniciaram os treinamentos com o modelo, que substituiu o Tucano T-27, utilizado pela Esquadrilha da Fumaça há 30 anos.

Modelo Super Tucano A-29 da Esquadrilha Fumaça que caiu em Pirassununga nesta quarta — Foto: Fabio Rodrigues

O Super Tucano tem praticamente o dobro do peso do T-27 e quase o dobro de potência. A velocidade máxima chega a 690 quilômetros por hora.

A esquadrilha foi reconhecida como unidade da FAB em 1963. Treze anos depois foi desativada e só voltou em 1983. Em seguida recebeu o Tucano T-27, fabricado no país.

A história da esquadrilha começou no Rio de Janeiro, quando instrutores de voo da escola de aeronáutica decidiram treinar acrobacias em grupo nas horas de folga. A primeira exibição para o público foi em 14 de maio de 1952. Três anos mais tarde, a Esquadrilha ganhou os próprios aviões. Com informações do G1.

Deixe um comentário